Pular para o conteúdo principal

Prof. Hernán Venegas Marcelo



Formação e experiência profissional

Historiador. Professor Adjunto IV (Classe C) da Área de História e do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Estudos Latino-Americanos da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (PPG-IELA/UNILA). Licenciatura em História pela Universidade de Havana (Suma Cum Laude, 1998)/Revalidação - Bacharel em História pela Universidade Federal Fluminense, Brasil. Máster em Ciências Pedagógicas pela Universidade Pedagógica de Las Villas, Cuba (2002) e Máster em Gestão Turística pela Universidade de Havana-Universidade de Barcelona (2005). Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense (2011). Filiado à Associação Nacional de História (ANPUH), à Associação de Historiadores Latino-americanos e do Caribe (ADHILAC) e à Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo (ANPTUR). Integrante do Grupo de Pesquisa/CNPQ "América Latina: histórias globais e locais", do Conselho Editorial do Dicionário Histórico do Turismo no Brasil, do Laboratório de História do Turismo (UFF, Brasil), do Laboratório de História Indígena (UNILA) e do Grupo de Pesquisa/CNPQ Estudos da América Indígena (UNILA). Desde 2017 participa do projeto de extensão "Educação ambiental e resíduos sólidos urbanos na região do ABC, Sao Paulo - do estado atual à realidade desejada" (UFABC-UNILA). As pesquisas atuais se desenvolvem no campo da história indígena, da educação ambiental e da história social da cultura. Seus resultados tem sido publicado em capítulos de livros assim como em revistas de Cuba, Brasil, México e Espanha.

Pesquisa:

Atualmente se dedica à pesquisa em história do turismo e do patrimônio no Brasil e em países do Cone Sul da América.
Outros temas de interesse são: turismo, história e relações internacionais na América Latina; região histórica na América Latina e interfaces entre a história e a literatura na América Latina. 
O resultado de suas pesquisas tem sido publicado em capítulos de livros e em artigos de revistas de Cuba, Brasil, México, Espanha.

Publicações recentes:

VENEGAS DELGADO, Hernan M.; VENEGAS MARCELO, Hernán.Indígenas, bandeirantes y fronteras coloniales ibéricas en América-.. PROJETO HISTÓRIA. REVISTA DO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS-GRADUADOS DE HISTÓRIA, v. 59, p. 137-169, 2017. Cf. https://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/view/30813.

VENEGAS DELGADO, Hernan M.; VENEGAS MARCELO, Hernán. "Espacio y espacios regionales y urbanos - sus interrelaciones". In: Carlos J. Recio; Alfonso González. (Org.). Dimensiones del espacio. 1a. ed. Saltillo, Coahuila, México: Editora da Universidad Autónoma de Coahuila, Mx., 2016, v. I, p. 105-124. ISBN: 9786079417.

O conceito de patrimônio em perspectiva histórica e o Brasil. In: José de Jesus Hernandez López; Carlos Manuel Valdés Dávil; Hernan M. Venegas Delgado. (Org.). Región, interconexiones y sistema mundo. 1a. ed. Saltillo, Coahuila, Mx.: Universidad Autónoma de Coahuila, Mx., 2014, p. 246-269.

Uma história do patrimônio e do turismo na cidade de Paraty. In: CASTRO, Celso; GUIMARAES, Valéria Lima; MAGALHAES, Aline Montenegro. (Org.). História do turismo no Brasil. 1a. ed. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2013, v. I, p. 129-144.

A noção de patrimônio no Brasil Império. Revista de Turismo e Patrimônio Cultural - Pasos, v. 11, p. 135-146, 2013. Disponível em: www.pasosonline.org/Publicados/11113/PS0113_10.pdf

Estâncias termais, turismo e poder público federal no Brasil. In: Anais do XXVII Simpósio Nacional de História. Natal: ANPUH, 2013.

As antecipações do turismo no Brasil. Revista Iberoamericana de Turismo, v. 1, p. 12-25, 2011. Disponível em: http://www.snh2013.anpuh.org/resources/anais/27/1364347402_ARQUIVO_TrabalhoANPUH-HernanVenegasMarcelo.pdf

O turismo no Rio de Janeiro nas primeiras décadas do século XX. In: Anais do XXVI Simpósio Nacional em História. São Paulo: ANPUH, 2011. Disponível em: http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/1300635429_ARQUIVO_TrabalhoANPUH-Original.pdf

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"Progresso Americano" (1872), de John Gast.

Progresso Americano (1872), de John Gast, é uma alegoria do “Destino Manifesto”. A obra representa bem o papel que parte da sociedade norte-americana acredita ter no mundo, o de levar a “democracia” e o “progresso” para outros povos, o que foi e ainda é usado para justificar interferências e invasões dos Estados Unidos em outros países. Na pintura, existe um contraste entre “luz” e “sombra”. A “luz” é representada por elementos como o telégrafo, a navegação, o trem, o comércio, a agricultura e a propriedade privada (como indica a pequena cerca em torno da plantação, no canto inferior direito). A “sombra”, por sua vez, é relacionada aos indígenas e animais selvagens. O quadro “se movimenta” da direita para a esquerda do observador, uma clara referência à “Marcha para o Oeste” que marcou os Estados Unidos no século XIX. Prof. Paulo Renato da Silva. Professores em greve!

Entre Maria e Marianne: A figura feminina como símbolo da República Brasileira.

Nos textos anteriores sobre a formação do imaginário republicano no Brasil, observamos a transformação de um homem em herói nacional e a importância dos símbolos nacionais.Analisaremos a tentativa dos republicanos em implantar a figura feminina no imaginário popular brasileiro.

"A aceitação do símbolo na França e sua rejeição no Brasil permitem, mediante a comparação por contraste, esclarecer aspectos das duas sociedades e das duas repúblicas." (CARVALHO, José Murilo de. A Formação das Almas – O Imaginário da República no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1990. p.14).

A figura feminina já era utilizada na França desde a Revolução Francesa. Antes, a monarquia era representada pela figura masculina do Rei, porém com a proclamação da República essa figura tinha que ser substituída por um novo símbolo, assim começou-se a adotar a imagem da mulher.

Na Roma Antiga a figura feminina já era um símbolo de liberdade. Com o avanço da Revolução Francesa, os franceses começaram a …

O recorte temporal.

O recorte temporal é fundamental para a pesquisa em História. Afinal, segundo a definição clássica de Mar Bloch, a História é a ciência “dos homens, no tempo” [grifo meu]. (BLOCH, 2001, p. 55). Não é fácil delimitar o recorte temporal. A delimitação exige muito conhecimento sobre o tema a ser pesquisado, pois apenas assim detectamos questões e períodos menos estudados e onde residem as principais dúvidas e “contradições” da historiografia. A disponibilidade de fontes também é um elemento que incide sobre a delimitação do recorte. Temas e períodos marcados por menor disponibilidade de fontes geralmente resultam em recortes temporais mais amplos para que seja possível apreender as rupturas e permanências que nós historiadores sempre buscamos. Raramente encontramos, por exemplo, um estudo sobre a “Antiguidade” ou sobre a “Idade Média” restrito a dois ou três anos. Ou seja, a delimitação do recorte temporal depende da formulação de um problema a ser investigado e da existência de condições…