quinta-feira, 9 de junho de 2011

A Guerra do Paraguai/da Tríplice Aliança e a historiografia II.

Sobre a Guerra do Paraguai/da Tríplice Aliança, Francisco Doratioto destaca o seguinte:
“Explicar a Guerra do Paraguai como tendo sido resultado da ação do imperialismo inglês carece de base documental. É, antes, resultado de bandeiras das lutas políticas dos anos 60 e 70 – como o antiamericanismo e o terceiro-mundismo –, projetadas na análise do passado (...). (...). Ademais, uma questão “factual” foi esquecida pela explicação imperialista: no início da guerra em dezembro de 1864 e, ainda, no estabelecimento da Tríplice Aliança, em maio de 1865, o Império brasileiro estava de relações diplomáticas rompidas com a Inglaterra.
            O revisionismo (...) acaba (...) sendo vítima da falta de objetividade e construindo novos mitos. Destes, o maior talvez seja o de representar Solano López quase como um líder antiimperialista, arrojado e decidido na busca do desenvolvimento autônomo e da justiça social no Paraguai. Solano López foi, sim, um ditador, sem projeto econômico autônomo, mas com a aspiração de transformar o Paraguai em potência no Prata. Estava à frente de um país no qual também havia escravidão e tratava o Estado como um assunto de família, a ponto de sua companheira, a francesa Madame Lynch, ter um imenso patrimônio imobiliário, resultado da “compra” de enormes extensões de terras públicas.” (DORATIOTO, Francisco. A Guerra do Paraguai: 2ª visão. São Paulo: Brasiliense, 1991. p. 79-80).
            Para pensar: em quais pontos Doratioto se opõe a Chiavenato?
            Prof. Paulo Renato da Silva.

2 comentários:

  1. Buena reflexión Paulo. Parabéns! Quería solamente recordar que si bien la Corona inglesa llevaba a cabo las relaciones internacionales, en este caso con el Brasil, no necesariamente, una vez rotas, eso impediría al capital inglés colocar su "granito de arena" a favor de la guerra contra el Paraguay. La versión de Doratioto revisa la Historia a favor del Brasil, pues Maldita Guerra retira varios puntos en contra. No entiendo por qué el autor dice que el Paraguay de Solano López se iría a convertir en Potencia del Cono Sur, eso representaba un peligro y por ese motivo había que atacarlo y destruirlo antes de que él hiciera eso contra el Paraguay? Así manejan su política externa los Estados Unidos: atacar antes de ser atacados. Qué peligro!!! Recuerdo, por otra parte, que Doratioto tiene ligaciones con Itamaraty, su esposa es diplomática. Aqui discutimos entonces la verdad en Historia, Objetividad, sujeto y objeto de estudio, etc.
    Gerson Ledezma.

    ResponderExcluir
  2. Chiavenato propoe uma Inglaterra preocupada com o desenvolvimento do Paraguai. O Império do Brasil, aliado da Inglaterra -como era também a Argentina- serviu aos seus interesses.
    Doratioto pelo contrário, levanta a questão das relações entre o Império brasileiro e Inglaterra estarem cortadas devido a Questão Christie.
    Mas, como explicar... o aumento da dívida externa do Império justamente na época da Guerra. Dívida contraída de bancos ingleses!

    O Outro ponto, creio se tratar da figura de Solano, apresentando-o como um ditador com planos ambiciosos de expansão. Menciona até mesmo Mme Lynch...
    Com os paraguaios que conversei na moradia, o que eles me falaram é que no Paraguai, a versão é de que Solano foi um heroi... e até mesmo um martír!

    E também, sobre o desenvolvimento do Paraguai: o país desenvolvido a ponto de ameaçar a Inglaterra é apresentado por Doratioto como ainda escravocrata e nas mãos da família López, cujo ditador não tinha sequer projetos econõmicos para o país.

    ResponderExcluir