segunda-feira, 17 de outubro de 2011

17 de Outubro de 1945, 66 Anos Depois.

Há 66 anos Perón se consolidava politicamente. Em 1945, Perón era Vice-Presidente, Secretário do Trabalho e Ministro da Guerra de uma ditadura instaurada em 1943. Com a derrota do Eixo na Segunda Guerra Mundial (1939-1945), cresciam as pressões pela democratização do país. Para acalmar as pressões, Perón renunciou aos cargos e, dias depois, foi detido pelo governo do qual participava. No entanto, milhares de trabalhadores foram às ruas de Buenos Aires exigir a sua libertação, o que ocorreu em 17 de outubro de 1945. A ditadura estava com os dias contados e convoca eleições, vencidas por Perón em fevereiro de 1946.
O 17 de outubro de 1945 é um dos episódios mais enigmáticos do peronismo. Um movimento autônomo/espontâneo ou organizado por sindicatos? Os trabalhadores saíram em defesa de Perón ou das medidas sociais e trabalhistas recentemente conquistadas? Evita teve um papel de destaque no dia ou esta é uma imagem criada pela propaganda peronista? O dia representa o nascimento político dos setores populares argentinos ou esta também é uma imagem criada pelo peronismo, o qual teria desconsiderado toda uma história prévia de mobilizações?
A seguir, um vídeo com Perón falando sobre o 17 de outubro de 1945 e com imagens e discursos do dia:
Prof. Paulo Renato da Silva.

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Professor Paulo ao lê esse texto me fez recordar aulas discutidas na Universidade aqui do Tocantins ministrada pela sua pessoa, no entanto, o que mais chamou minha atenção foi justamente o questionamento que você coloca a respeito do 17 de Outubro de 1945, porque apesar do movimento que o povo manifestou em pró da libertação de Perón,realmente existe a necessidade de se fazer uma análise a respeito do que estava por trás da imagem do peronismo. Algo que a própria História deixar passar despercebido. Márcia UFT de Porto Nacional.

    ResponderExcluir
  3. Oi Márcia,
    Obrigado pelo comentário e creio que este é o nosso papel como historiadores: duvidar sempre!
    Forte abraço, continue nos lendo e sucesso em seus estudos e no trabalho.
    Saudades.
    Prof. Paulo.

    ResponderExcluir