Pular para o conteúdo principal

A 60 Anos da Reeleição de Perón.

No dia 11 de novembro de 1951, Juan Domingo Perón era reeleito presidente da Argentina para mais um mandato de seis anos. Com mais de três milhões de votos, Perón obteve vitória em todas as províncias. Na Província de Buenos Aires, venceu com mais de 800 mil votos. Seu principal adversário foi Ricardo Balbín, da União Cívica Radical, que esteve preso duas vezes por desacatar Perón. O peronismo, por ter implantado medidas sociais e trabalhistas, conseguiu um sucesso esmagador. No Congresso Nacional, a maioria era do Partido Peronista.

        Jornal do Brasil. Edição de 11 de novembro de 1951.
Fonte: (http://www.jblog.com.br/media/149/20101110-111151blg.jpg)
Um fator de destaque nessa eleição foi a figura da mulher na sociedade argentina. Durante o primeiro governo Perón (1946-1952), inicia-se uma campanha pelo voto feminino, liderado por Eva Perón e seu recém Partido Peronista Feminino. Com essa atitude, Evita esperava receber apoio primordial para concorrer como vice-presidente, porém as oposições dos militares mudaram seus planos. Na eleição de 1951, as mulheres argentinas votaram pela primeira vez. O Partido Comunista lançou Rodolfo Ghioldi, que tinha em sua chapa a Dra. Alcira de la Peña como vice. Ao Congresso foram eleitas, para a Câmara dos Deputados, três mulheres peronistas: Delia Degliuomini, Dora Gaeta e Ana Maria Macri, além de outras vinte deputadas e seis senadoras.
Com seu discurso nacionalista, Perón continuava estatizando empresas multinacionais (empresas telefônicas, petrolíferas e companhias elétricas), fornecendo direitos trabalhistas (férias remuneradas, aposentadoria, seguro médico) e promovendo um crescimento considerável da indústria argentina. Porém, a inflação aumentava e os investidores se sentiam inseguros quanto a aplicar seus capitais. Essa crise colaborou para uma revisão de seu governo e de seu legado para a sociedade argentina. Greves e conflitos sociais tiveram um grande destaque em seu governo.
Juan e Eva Perón em 4 de junho de 1952.
Fonte: (http://es.wikipedia.org/wiki/Archivo:Eva_juan.jpg)

O principal desequilíbrio do segundo mandato de Perón foi a morte de sua mulher, Evita, vítima de um câncer uterino, apontada por muitos como a alma da “revolução trabalhadora” na Argentina. Após o golpe de Estado que depôs o presidente argentino, os militares sequestraram o seu corpo embalsamado, depositado na CGT (Confederação Geral do Trabalho) e só em 1971 foi encontrado enterrado na Itália. Enviado a Madri, cidade em que Perón residia exilado, retorna em seguida às terras argentinas.
Eva Perón vota em seu marido, no seu leito de morte.
Fonte: (http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/b/b0/Eva_Per%C3%B3n_votando_1951-Borroni-1970-72.jpg)

No ano de 1955, Perón decretava a separação da Igreja e Estado. Segundo Maria Ligia Prado, a Igreja não via com bons olhos o excesso de atenção que o governo prestava ao proletariado. O ensino religioso deixa de existir nas escolas. Além disso, a santificação popular de Eva Perón, o controle das ações de assistência social pelo peronismo, a tolerância do governo com o crescimento protestante e a fundação do Partido Democrata Cristão ajudaram o rompimento do Estado com a Igreja. Em contrapartida, o peronismo acusava o clero de boicotar sua proposta revolucionária. O governo via no rompimento uma forma de mobilizar sua base social. Com isso, o governo começa a perder apoio, tendo como um novo inimigo político a própria Igreja Católica. Na procissão de Corpus Christi, em 1955, a oposição reúne milhares de pessoas solidárias com a Igreja.
 Em 15 de julho de 1955, a aviação naval bombardeia a sede do governo na tentativa de acabar com o governo peronista. As correntes revolucionárias ligadas ao peronismo reagiram. Alguns responderam incendiando igrejas. Os militares deixam de apoiar Perón e, em setembro, insatisfeitos com o rumo que o governo seguia, criaram um levante militar, liderado pelo futuro presidente, General Lonardi, que avançava de Córdoba a Buenos Aires com o propósito de depor o presidente. Em 22 de setembro, Perón renuncia à presidência e se exilou na Espanha. Eduardo Lonardi assume o governo através de um golpe de Estado.
Operários reunidos na Praça de Maio para manifestar apoio à renuncia do presidente.
Fonte: (http://3.bp.blogspot.com/_UwR3y74_fYo/TF_u7icHm7I/AAAAAAAAA7E/-of01kWUf7I/s1600/praca_de_maio_renuncia.jpg)

 
Mesmo exilado, Perón influenciava a vida política na Argentina. Regressa ao país em 1973, se candidata novamente à presidência e vence. Seu novo governo foi curto. Falece em 1974, deixando o governo nas mãos de sua esposa, Isabel Perón, e mitificado pelo povo argentino.


Paulo Alves Pereira Júnior - Acadêmico de História da UNILA.

Comentários

  1. Parabéns pela publicação, invista nas suas pesquisas,estão ficando cada vez melhor. Sempre é interessante o peronismo na argentina,particularmente gostei bastante.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"Progresso Americano" (1872), de John Gast.

Progresso Americano (1872), de John Gast, é uma alegoria do “Destino Manifesto”. A obra representa bem o papel que parte da sociedade norte-americana acredita ter no mundo, o de levar a “democracia” e o “progresso” para outros povos, o que foi e ainda é usado para justificar interferências e invasões dos Estados Unidos em outros países. Na pintura, existe um contraste entre “luz” e “sombra”. A “luz” é representada por elementos como o telégrafo, a navegação, o trem, o comércio, a agricultura e a propriedade privada (como indica a pequena cerca em torno da plantação, no canto inferior direito). A “sombra”, por sua vez, é relacionada aos indígenas e animais selvagens. O quadro “se movimenta” da direita para a esquerda do observador, uma clara referência à “Marcha para o Oeste” que marcou os Estados Unidos no século XIX. Prof. Paulo Renato da Silva. Professores em greve!

Entre Maria e Marianne: A figura feminina como símbolo da República Brasileira.

Nos textos anteriores sobre a formação do imaginário republicano no Brasil, observamos a transformação de um homem em herói nacional e a importância dos símbolos nacionais.Analisaremos a tentativa dos republicanos em implantar a figura feminina no imaginário popular brasileiro.

"A aceitação do símbolo na França e sua rejeição no Brasil permitem, mediante a comparação por contraste, esclarecer aspectos das duas sociedades e das duas repúblicas." (CARVALHO, José Murilo de. A Formação das Almas – O Imaginário da República no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1990. p.14).

A figura feminina já era utilizada na França desde a Revolução Francesa. Antes, a monarquia era representada pela figura masculina do Rei, porém com a proclamação da República essa figura tinha que ser substituída por um novo símbolo, assim começou-se a adotar a imagem da mulher.

Na Roma Antiga a figura feminina já era um símbolo de liberdade. Com o avanço da Revolução Francesa, os franceses começaram a …

Sujismundo ou como a ditadura nos olhava: o autoritarismo e a associação entre povo, sujeira e doenças

Retomamos as postagens do Blog de História da UNILA em 2018 com post do prof. Paulo Renato, a respeito de campanha de higiene da Ditadura Militar brasileira dos anos 1970, que muito nos revela acerca das visões daquele regime sobre o povo. Boa leitura!
Em tempos de intervenção militar no Rio de Janeiro e de pré-campanha eleitoral na qual candidatos e eleitores expressam o seu saudosismo pelos tempos da ditadura no Brasil, cabe lembrar que a visão autoritária dos militares sobre o povo brasileiro se manifestava inclusive sobre práticas simples do cotidiano. Conforme destacam Maria Hermínia Tavares de Almeida e Luiz Weis, nos “(...) regimes de força, os limites entre as dimensões pública e privada são mais imprecisos e movediços do que nas democracias” (ALMEIDA; WEIS, 1998, p. 327). Um exemplo dessa visão autoritária pode ser vista em Sujismundo, personagem patrocinado pela ditadura na década de 1970. Sujismundo foi para as telas da televisão e até mesmo dos cinemas para “educar” o pov…