sexta-feira, 13 de julho de 2012

Revolução Francesa: uma síntese das principais interpretações.


“Na impossibilidade de se resenhar o conjuntos dos textos que integram a extensa listagem bibliográfica sobre a Revolução Francesa, dois conjuntos de questões serão mencionados a seguir para que se tenha uma noção, ainda que geral, dos debates contemporâneos em torno da questão da natureza da revolução e de suas causas. (...).
A interpretação da Revolução Francesa como modelo “clássico” da revolução burguesa desfruta de razoável prestígio entre os historiadores.
Apoiando-se nas teses de Marx sobre a via revolucionária de passagem do feudalismo ao capitalismo, esta versão combina leis gerais da história para explicar a mudança de modos de produção, com problemas de ordem particular: a estrutura específica da sociedade francesa no fim do Antigo Regime e sua base aristocrática. Os acontecimentos são explicados à luz da luta de classe que oporia aristocracia a burguesia, em torno da manutenção ou abolição da feudalidade. Esse modelo de interpretação privilegia como temas principais o problema da propriedade e da questão agrária, e a participação dos camponeses e das massas populares urbanas, em especial os jacobinos. Os primeiros considerados os “árbitros” da revolução e os segundos como expressão das forças mais radicais da revolução.
A explicação assim estruturada em torno da contradição entre dois tipos diversos de sociedade, sendo a superação da ordem antiga pela nova considerada como uma lei histórica, dá aos acontecimentos revolucionários um caráter inevitável. Dito em outros termos, integra um conjunto de fatos que possuíam um razoável índice de previsibilidade. A passagem do feudalismo para o capitalismo é então entendida como uma “necessidade histórica”.
Alguns críticos dessa interpretação apontam as fragilidades da visão construída sobre a base do conflito entre burguesia e aristocracia. Consideram a realidade social francesa no Antigo Regime mais complexa e, portanto, irredutível a esta simples polaridade. Invertem essa interpretação ao chamar atenção para a formação de uma nova elite, integrando setores daquelas duas classes e impondo a revisão da natureza dos conflitos e tensões sociais do período.
Numa outra vertente, as análises sobre a situação agrária no final do Antigo Regime têm insistido nas teses sobre o desenvolvimento de formas capitalistas no campo ao longo do século XVIII, fragilizando ainda mais o argumento fundado no conflito entre feudalismo e capitalismo, ou aristocracia e burguesia, que se constitui no substrato daquela interpretação. Na perspectiva econômica, pesquisas mais recentes tendem a abrandar o caráter de “crise” daquela sociedade, que teria conhecido relativo crescimento e lembram que as transformações no regime de propriedade eram um fato, durante o reinado de Luís XVI. Pode-se concluir deste conjunto de argumentos que pensar a revolução como provocada por tensões inerentes ao sistema feudal não seria um bom caminho para sua compreensão. Na hipótese da existência e do aguçamento dessas contradições seria mais compreensível esperar que a revolução ocorresse em outras sociedades do leste europeu, como já apontou Tocqueville em meados do século passado.
Para que se defina o caráter da revolução há que se definir previamente qual de suas etapas, ou qual de suas “revoluções” melhor identificaria a mudança. Em termos de periodização, significa optar por 1789 ou por 1793. Isto é, atribuir maior relevância à Declaração dos Direitos, ao período constitucional, à vitória dos princípios do liberalismo e à conquista da liberdade; ou privilegiar a Convenção Jacobina e o esforço de ampliar as conquistas revolucionárias ao preço do sacrifício da liberdade, em prol da igualdade e da imposição do terror.
Em sentido diverso, historiadores que se situam em outro plano de compreensão dos processos de mudança, recusando explicações organizadas a partir dos conflitos sociais, ou da preeminência dos fatores de natureza econômica, atribuem importância ao papel desempenhado pelas idéias dos filósofos iluministas.
Para esses historiadores, as obras de Voltaire, Diderot, Rousseau e Montesquieu, em que pesem as diferenças que guardam entre si, têm em comum o lado crítico ao Antigo Regime e à Igreja, parceira do rei no controle do poder. Seus textos desempenharam importante papel na derrocada do Antigo Regime, por condenarem o obscurantismo e o predomínio das “trevas”,  com os quais os filósofos identificavam as sociedades submetidas ainda ao pensamento escolástico. E, ainda por difundirem a crença na razão como portadora do progresso e da felicidade, substituindo então os antigos deuses por uma crença secularizada.
Essa interpretação também tem seus críticos que levantam dúvidas quanto à possibilidade de novas idéias terem a força de mudar regimes políticos e sociais. Acrescentam ainda o argumento que destaca um certo grau de acomodação dos filósofos ao cotidiano da sociedade francesa, ao convívio com as elites, esvaziando assim seu conteúdo revolucionário.
As interpretações sobre o papel desempenhado pelas “Luzes” na Revolução Francesa merecem ser reexaminadas para que se desvende a importância da constituição de uma opinião pública. Esta forjaria uma nova concepção de poder, não mais alocado no Estado, mas na sociedade, precondição para a experiência da cidadania, com a qual se confunde o processo revolucionário.” (CAVALCANTE, Berenice. A Revolução Francesa e a modernidade. São Paulo: Contexto, 1997. p. 11-13).
Prof. Paulo Renato da Silva.
Professores em greve!

Nenhum comentário:

Postar um comentário