sábado, 7 de setembro de 2013

"O Texto Histórico como Artefato Literário", de Hayden White.

Outro historiador ligado ao “pós-modernismo” é Hayden White. Resumidamente, para White, o trabalho do historiador se aproxima ao do escritor, a História seria um discurso semelhante à Literatura. Além das lacunas e das contradições levantadas em uma pesquisa, para White pode variar bastante a forma de se narrar o passado, ou seja, o “gênero”, o “estilo” textual a ser escolhido pelo historiador. Em O Texto Histórico como Artefato Literário, Hayden White destaca o seguinte:
“O que Collingwood não logrou perceber é que nenhum conjunto dado de acontecimentos históricos casualmente registrados pode por si só constituir uma estória; o máximo que pode oferecer ao historiador são os elementos de estória. Os acontecimentos são convertidos em estória pela supressão ou subordinação de alguns deles e pelo realce de outros, por caracterização, repetição do motivo, variação do tom e do ponto de vista, estratégias descritivas alternativas e assim por diante – em suma, por todas as técnicas que normalmente se espera encontrar na urdidura do enredo de um romance ou de uma peça. Por exemplo, nenhum acontecimento histórico é intrinsecamente trágico; só pode ser concebido como tal de um ponto de vista particular ou de dentro do contexto de um conjunto estruturado de eventos do qual ele é um elemento que goza de um lugar privilegiado. Pois na história o que é trágico de uma perspectiva é cômico de outra, exatamente da mesma forma que na sociedade o que parece ser trágico do ponto de vista de uma classe pode ser, como Marx pretendeu demonstrar com O 18 Brumário de Luís Bonaparte, apenas uma farsa do ponto de vista de outra classe. Considerados como elementos potenciais de uma estória, os acontecimentos históricos são de valor neutro. Se acabam encontrando o seu lugar numa estória que é trágica, cômica, romântica ou irônica – para fazer uso das categorias de Frye –, isso vai depender da decisão do historiador em configurá-los de acordo com os imperativos de uma estrutura de enredo ou mythos, em vez de outra. O mesmo conjunto de eventos pode servir como componentes de uma estória que é trágica ou cômica, conforme o caso, dependendo da escolha, por parte do historiador, da estrutura de enredo que lhe parece mais apropriada para ordenar os eventos desse tipo de modo a transformá-los numa estória inteligível.
Isto sugere que aquilo que o historiador traz à sua consideração do registro histórico é uma noção dos tipos de configuração dos eventos que podem ser reconhecidos como estórias pelo público para o qual ele está escrevendo. Na verdade, ele pode falhar. Não creio que alguém aceitasse a urdidura de enredo da vida do presidente Kennedy como comédia, porém se deve ser contada à maneira romântica, trágica ou satírica é uma questão em aberto.” (WHITE, 2001: 100-101).
Na próxima postagem começaremos a destacar algumas das principais críticas ao "pós-modernismo".
Referências bibliográficas:
WHITE, Hayden. O Texto Histórico como Artefato Literário. Trópicos do Discurso: ensaios sobre a crítica da cultura. 2a. ed. São Paulo: EDUSP, 2001.
Prof. Paulo Renato da Silva.

Nenhum comentário:

Postar um comentário