quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Manoel Bomfim, pensador da América Latina

O brasileiro Manoel Bomfim (1868-1932), natural de Aracaju, Sergipe, foi um médico de formação, pedagogo e autor de obras de análise histórico-sociológica sobre o Brasil e a América Latina. Seu nome se destaca por sua oposição às teses racistas que, em seu tempo, buscavam inferiorizar a América Latina perante a Europa.
Em 1905 Manoel Bomfim publicou A América Latina: males de origem, obra escrita em Paris. O livro continha já no título e na sua organização uma postura de exceção naquele momento, ao incluir o Brasil como parte da América Latina. Mas seu principal objetivo era o combate às teses racistas que atribuíam à mestiçagem de raças a razão de uma suposta incapacidade de progresso das nações latino-americanas (ou sul-americanas, categoria com a qual de fato trabalha Bomfim, apesar do título do livro). Para Manoel Bomfim, os problemas vividos pelos países do continente não se deviam a causas biológicas, ou essencialistas de qualquer natureza, mas a causas históricas (os “males de origem”): a colonização ibérica havia deixado como herança um fenômeno que Bomfim classificou de “parasitismo”, a presença de uma elite parasita que sugava as energias de seu povo (note-se que, apesar de combater as interpretações biológicas, Bomfim não deixou de escapar de prática comum no pensamento de seu tempo, a busca de uma metáfora biológica para descrever fenômenos humanos). Bomfim concluía seu livro afirmando que não havia nação incapaz do progresso, como afirmava o pensamento racista europeu a respeito da América Latina e da África.
Posteriormente, Manoel Bomfim relativizaria o pensamento de uma América Latina unificada por seus problemas históricos, em particular na obra O Brasil na América (1929). Nela, Bomfim enfatiza as diferenças entre o Brasil e os demais países “neo-ibéricos”, ou seja, os de colonização ibérica. Continuava, porém, a rejeitar qualquer visão que negasse a esses países a possibilidade de progresso e de solução de seus males sociais. Manoel Bomfim conferia à educação, especialmente, um papel primordial na superação dos problemas históricos latino-americanos. Recentemente, sua obra tem sido reeditada, tornando-se tema de teses, livros e artigos que recuperam diversos aspectos de seu pensamento.

Indicações de leitura:

AGUIAR, Ronaldo Conde. O rebelde esquecido: tempo, vida e obra de Manoel Bomfim. Rio de Janeiro: Topbooks, 2000.

BOMFIM, Manoel. A América Latina; males de origem: O parasitismo social e evolução. Rio de Janeiro: Topbooks, 2005.

______________. O Brasil na América: Caracterização da Formação Brasileira. Rio de Janeiro: Topbooks, 1997, 2ª edição.


Prof. Pedro Afonso Cristovão dos Santos

Nenhum comentário:

Postar um comentário