Pular para o conteúdo principal

Prof. Paulo Renato da Silva


Formação e experiência profissional:

Paulo Renato da Silva é Bacharel e Licenciado em História (2001) pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e Mestre (2004) e Doutor (2009) em História pela mesma universidade.
Entre 2008 e 2010, foi professor da Universidade Federal do Tocantins (UFT), campus de Porto Nacional, e desde 2010 é professor da UNILA.
Além de atuar no curso de História, é professor do Mestrado em Integração Contemporânea da América Latina (ICAL) e do Mestrado Interdisciplinar em Estudos Latino-Americanos (IELA), ambos da UNILA.

Pesquisa:

Atualmente pesquisa as relações entre Paraguai, Argentina e Brasil a partir da década de 1950, com ênfase nas identidades sobre os países e povos (re)construídas a partir destas relações.

Publicações recentes:

A Devolução dos Troféus da Guerra da Tríplice Aliança e a "Confraternidade Argentino-Paraguaia" (1954). História Unisinos, São Leopoldo, v. 19, n. 1, 2015. Disponível em: http://revistas.unisinos.br/index.php/historia/article/view/htu.2015.191.02/4584

H
istória e Memória de Eva Perón. Revista de História, São Paulo, n. 170, 2014. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/82568/85540

Currículo Lattes: 
http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4765504H2

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Progresso Americano" (1872), de John Gast.

Progresso Americano (1872), de John Gast, é uma alegoria do “Destino Manifesto”. A obra representa bem o papel que parte da sociedade norte-americana acredita ter no mundo, o de levar a “democracia” e o “progresso” para outros povos, o que foi e ainda é usado para justificar interferências e invasões dos Estados Unidos em outros países. Na pintura, existe um contraste entre “luz” e “sombra”. A “luz” é representada por elementos como o telégrafo, a navegação, o trem, o comércio, a agricultura e a propriedade privada (como indica a pequena cerca em torno da plantação, no canto inferior direito). A “sombra”, por sua vez, é relacionada aos indígenas e animais selvagens. O quadro “se movimenta” da direita para a esquerda do observador, uma clara referência à “Marcha para o Oeste” que marcou os Estados Unidos no século XIX. Prof. Paulo Renato da Silva. Professores em greve!

Entre Maria e Marianne: A figura feminina como símbolo da República Brasileira.

Nos textos anteriores sobre a formação do imaginário republicano no Brasil, observamos a transformação de um homem em herói nacional e a importância dos símbolos nacionais.Analisaremos a tentativa dos republicanos em implantar a figura feminina no imaginário popular brasileiro.

"A aceitação do símbolo na França e sua rejeição no Brasil permitem, mediante a comparação por contraste, esclarecer aspectos das duas sociedades e das duas repúblicas." (CARVALHO, José Murilo de. A Formação das Almas – O Imaginário da República no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1990. p.14).

A figura feminina já era utilizada na França desde a Revolução Francesa. Antes, a monarquia era representada pela figura masculina do Rei, porém com a proclamação da República essa figura tinha que ser substituída por um novo símbolo, assim começou-se a adotar a imagem da mulher.

Na Roma Antiga a figura feminina já era um símbolo de liberdade. Com o avanço da Revolução Francesa, os franceses começaram a …

O recorte temporal.

O recorte temporal é fundamental para a pesquisa em História. Afinal, segundo a definição clássica de Mar Bloch, a História é a ciência “dos homens, no tempo” [grifo meu]. (BLOCH, 2001, p. 55). Não é fácil delimitar o recorte temporal. A delimitação exige muito conhecimento sobre o tema a ser pesquisado, pois apenas assim detectamos questões e períodos menos estudados e onde residem as principais dúvidas e “contradições” da historiografia. A disponibilidade de fontes também é um elemento que incide sobre a delimitação do recorte. Temas e períodos marcados por menor disponibilidade de fontes geralmente resultam em recortes temporais mais amplos para que seja possível apreender as rupturas e permanências que nós historiadores sempre buscamos. Raramente encontramos, por exemplo, um estudo sobre a “Antiguidade” ou sobre a “Idade Média” restrito a dois ou três anos. Ou seja, a delimitação do recorte temporal depende da formulação de um problema a ser investigado e da existência de condições…