sexta-feira, 15 de março de 2013

Arte marginal.


Nas primeiras postagens vimos que são os críticos de arte, as galerias e os museus que costumam definir o que seria e o que não seria arte.
Porém, na última postagem vimos que novos olhares conceituam, por exemplo, a grafitagem como arte. Ou seja, nem toda obra precisaria da aprovação dos “grandes” críticos, das galerias ou dos museus para ser considerada arte. A arte existente fora do circuito tradicional é designada como arte marginal por alguns especialistas. Vale frisar que muitos artistas são bastante questionadores e não desejam ser (re)conhecidos pelo circuito tradicional.
Mas o circuito tradicional pode incorporar a arte considerada marginal, se apropriar dela. Afinal, como já vimos, a arte é dotada de historicidade e varia muito de uma cultura para outra. Além disso, a "arte marginal”, em alguns casos, se tornou um rótulo que desperta curiosidade, interesse e, por isto, passou a chamar a atenção do "mercado de arte".

p1030318.JPG
Obra de "Os Gêmeos", irmãos grafiteiros de São Paulo, na Tate Modern de Londres, um dos principais museus de arte moderna do mundo.

Prof. Paulo Renato da Silva.

Nenhum comentário:

Postar um comentário