domingo, 2 de junho de 2013

Monumento a Colombo gera polêmica em Buenos Aires.

Em Buenos Aires, atrás da Casa Rosada, sede do governo argentino, há um monumento a Cristovão Colombo, o “descobridor” da América.
O governo nacional deseja retirar o monumento do local e mudá-lo para Mar del Plata, cidade litorânea ao sul da capital argentina. No local do atual monumento, o governo da presidenta Cristina Kirchner pretende colocar um em homenagem a Juana Azurduy, que lutou na guerra de independência do Vice-Reinado do Prata.
Trata-se, portanto, de uma intensa releitura da história argentina. Afinal, seria trocar um símbolo do hispanismo por um que remete, justamente, à luta contra a Espanha.
Mas nem todos são a favor da mudança. A forte comunidade italiana do país se manifestou contrária. Vale lembrar que Colombo era genovês, de acordo com as versões mais recorrentes.
Além disso, o governo da cidade de Buenos Aires, antikirchnerista, alega que o monumento não pertence ao governo nacional e pretende mantê-lo onde está. O episódio é apenas mais um exemplo de como a memória está diretamente relacionada ao presente, suas demandas e disputas.
Em tempo, o governo boliviano patrocinaria o monumento a Juana Azurduy, que nasceu em La Plata, atual Sucre, na Bolívia.

Foto do Clarin mostra preparativos para a remoção do monumento. Nesta semana, a Justiça proibiu provisoriamente a retirada.

Na terça a prometida segunda postagem sobre Botero.
Prof. Paulo Renato da Silva.

Nenhum comentário:

Postar um comentário