sexta-feira, 16 de agosto de 2013

A violência além da desigualdade e da pobreza.

A desigualdade e a pobreza são constantemente apresentadas como as principais causas da violência na América Latina. Para Beatriz Sarlo, se trata de uma perspectiva adequada, mas incompleta, principalmente quando se pensa no caso argentino, analisado pela autora.
Segundo Sarlo, “apenas” a desigualdade e a pobreza, em si, não explicam o crescimento da violência na Argentina, mas a falta de políticas de combate a ambas, o que desencadearia frustração e falta de perspectivas em amplos setores da sociedade. A respeito da Argentina da década de 1990, destaca: “Para quienes forman parte de la masa de desocupados y subocupados, estabilizada en alrededor del veinticinco por ciento (sin seguro de desempleo), la idea de que la sociedad es un espacio donde hombres y mujeres no están inevitablemente destinados a la frustración y al fracaso es débil y remota.” (2002: 59).
Já falamos como a violência gera uma crise da imagem do Estado como aquele que garantiria a segurança dos indivíduos. Sarlo destaca, ainda, que a violência representa e acentua, ao mesmo tempo, a crise de instituições que representavam espaços de sociabilidade, como a escola, associações de bairro e sindicatos, dentre outros. De acordo com a autora, a crise desses espaços de sociabilidade gera um esvaziamento do espaço público. “La crisis de seguridad afecta e inmoviliza a quienes viven en barrios populares, obligados a garantizar, en todo momento, una presencia en sus casas para evitar depredaciones y robos, y condenados al aislamiento en viviendas donde el equipamiento cultural es mínimo. La movilidad en el tiempo de ocio se reduce y, en consecuencia, también se achican las posibilidades de contacto con otros niveles y consumo sociales.” (2002: 59). Saindo do caso argentino, penso, particularmente, como nós brasileiros, de uma maneira geral, frequentamos pouco espaços públicos como parques e praças, especialmente à noite e, daí, nossa dificuldade em manter estes espaços sem depredações.
Sarlo conclui essa questão da violência e dos espaços de sociabilidade com um argumento interessante. Para a autora, principalmente nas periferias da Argentina, as igrejas evangélicas estariam preenchendo o espaço outrora ocupado pelas instituições que citamos acima. Isso explicaria o crescimento das igrejas evangélicas no país – e na América Latina. “Estas formaciones religiosas, muy numerosas en el conurbano de Buenos Aires, ofrecen lugares de identificación temporal especialmente valorados por quienes no tienen otras opciones de identificación: son tribus culturales organizadas en redes bastante eficaces.” (2002: 61).
Referências bibliográficas:
SARLO, Beatriz. Tiempo Presente: notas sobre el cambio de una cultura. Buenos Aires: Siglo XXI, 2002.
Prof. Paulo Renato da Silva.

Nenhum comentário:

Postar um comentário