quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Um breve panorama sobre o Batllismo.



Muitos “Battles” passaram pela história do Uruguay. Lorenzo Battle foi o primeiro e atuou como Presidente de 1868 a 1872. Depois seu filho, José Batlle y Ordoñez, assumiu o posto por dois mandatos (1903 – 1907 e 1911 – 1915). Algumas décadas depois, Luis Batlle Berres governou de 1947 a 1951 e Jorge Batlle Ibañez foi presidente de 2000 a 2005. Mas, entre tantos, um Batlle é considerado o político que teve maior influência no processo de abertura e modernização do país. Foi ele José Batlle y Ordoñez, percursor de várias mudanças políticas que podemos dividi-las em três projetos: projeto político, projeto econômico e projeto social.
O projeto político: a proposta principal de Batlle era a criação de um poder executivo colegiado, no qual o presidente não teria total autonomia. O poder executivo colegiado seria composto pelo presidente e por 9 membros eleitos pelo povo, dos quais 5 seriam do partido do presidente e 4 da oposição. Para Batlle, era importante que esses 9 membros se mantivessem no poder por dois mandatos, pois haveria menos risco do presidente seguinte frear ou mudar algum plano governamental. Com essa proposta, o Partido Colorado, ao qual pertencia Batlle, se divide em batllistas e riveristas. Os riveristas, juntamente com o Partido Nacional, eram contra a proposta, alegando que seria muito problemático que os 9 membros do colegiado pudessem chegar a um acordo a respeito dos temas de urgência.
O projeto econômico, por sua vez, tem como base a industrialização do país, sobretudo em Montevidéu. No setor agrícola, Batlle impôs alguns impostos progressivos sobre o domínio da terra e também propôs a divisão da terra com os camponeses desempregados para incentivar a agricultura. Vale ressaltar que Batlle teve muita dificuldade para fazer isso, visto que grande parte dos latifundiários era do partido opositor e protegia seus próprios interesses. Batlle também incentiva a comercialização dos produtos nacionais, aumentando os impostos e dificultando a entrada de produtos estrangeiros. Outra proposta é a estatização e nacionalização dos serviços públicos, porque ele acreditava que o Estado tinha o dever de garantir os serviços básicos sem fins lucrativos como tinham as empresas privadas.
O projeto social tem como público alvo os trabalhadores, as mulheres e as crianças. Com respeito aos trabalhadores, foram implantadas a lei das oito horas, a lei das “sillas” e a lei do seguro desemprego, entre outras medidas. Com respeito às mulheres, são estabelecidos a licença maternidade de 40 dias e o divórcio pela vontade da mulher. Para as crianças, diminuiu a carga horária de trabalho.
Outra medida que faz é tornar o Estado laico e ampliar a educação para vários departamentos, além de estender a educação ao maior número possível de pessoas e de reafirmá-la como sendo gratuita. O seu governo também criou universidade para as mulheres.
O período Batllista termina no ano de 1929, com a morte de José Batlle y Ordoñez no dia 20 de outubro, mas para um setor do Partido Colorado suas ideologias continuam presentes.

Bibliografia:
NAHÚM, B. Breve historia del Uruguay independiente. Montevideo: Banda Oriental, 1999. 

Maria Aparecida Webber, Maria Paula Padrón, Maria Silvina Sosa Vota, Mariana Elizabeth Fernández Presa e Katrina Petrika Dal Pizzol.

Nenhum comentário:

Postar um comentário